Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Março, 2013

Os Lamas da Arrábida

Esta estória passa-se algures na Arrábida, em cache cuja identidade já se desvaneceu no tempo. Mas o lugar foi ali para os lados de Setúbal, entre a cidade e a serra. A cache levou o carro por estradas menos próprias, de terra mal batida, muitos calhaus e rasgos. Por fim, a aproximação final, a pé… e, já pelo meios dos matos, a coisa de 30 metros, começo a ouvir vozes… “scchhhh…. ouço gente… que chatice, devem ser caçadores, aqui, só pode…!”. Mas não nos ficámos… continuámos a avançar, e o som de humanos à conversa intensificou-se. E a curiosidade a incitar a mais um passo, a agulha do GPS a apontar para ali, e os metros estimados a descer. Quando finalmente foi obtido contacto visual, ficou claro que não se tratavam de caçadores, só podiam ser na nossa estirpe… geocachers.

lamas

Mas estes geocachers tinham um comportamento estranho. Em vez de esquadrinhar a área, de GPS na mão e sentidos antentos, estavam sentados bucolicamente em volta de uma toalha de piquenique e mastigavam com gosto enquanto iam falando. Se fosse a valer, a emboscada seria letal. Foram apanhados completamente desprevenidos, não diria de calças na mão, mas certamente de boca cheia. À nossa aproximação sorridente levantaram-se logo. Eram os Lamas. Perguntei se já tinham encontrado a cache. Que não, que a coisa estava complicada e então decidiram fazer uma pausa para repôr o nível energético. E foi nessa actividade que os surpreendemos.

Eventualmente o tesouro apareceu. Algo afastado do ponto zero, talvez 10 ou 12 metros, o que naquele terreno de mato denso é a morte do artista. Deu ainda bastante trabalho, mas nesse dia, mais do que a memória de mais um found ficou a imagem daqueles três mosqueteiros a banquetearem-se candidamente exactamente sobre o ponto zero.

P.S. – Após escrever o texto, fiz uma pesquisa um pouco mais cuidada e acabei por identificar a cache. Foi na The Spirit of Saint Louis, e a cena passou-se no dia 12 de Março de 2006. Até está aqui o meu log original, ainda em inglês, como era costume naquela época.

Read Full Post »

A Voz do Céu

Nos dias que correm tudo no Geocaching se banalizou. Incluindo o encontro casual com outros geocachers. Aquilo que antes era uma festa e que inspirava longas conversas e trocas de contactos, hoje tende a resumir-se a um acenar de cabeça e adeus. Mas esta história é do antigamente, dos tempos em que não era muito frequente encontrar outros parceiros de hobby…. e passa-se na Bicas Beach [Aldeia do Meco] em Março de 2006, quando ainda era costume escrever-se os logs em inglês.

O carro ficou no parqueamento recomendado, ainda a umas centenas de metros do ponto zero. O passeio fez-se bem, o dia estava invernoso, cinzentão, trazendo uma aura especial aquela paisagem oceânica. Já na zona da cache, pensei subitamente ter encontrado… ena pá… que container tão grande.. e tão bem escondido, debaixo de pedras, num alvéolo rochoso. Abro-o à espera de encontrar o característico logbook e… nada disso, a caixa estava cheia de ferramentas e utensílios de pesca. Quem será que deixou aquilo ali ao abandono, para todo o sempre….?

fromthesky-02

De volta à pesquisa, acabo por encontrar o desejado tesouro… mas não muito longe de nós, lá por cima, um parapente evoluia, com o piloto naturalmente curioso com as nossas actividades. Foi uma questão de esperar que tivesse que manobrar, e, apanhado pelas costas, cache para fora, logbook assinalado e tudo devolvido ao seu esconderijo.

Já a caminhar para o carro, pensamento alheado, ouço de súbito uma voz imperiosa vinda dos céus: “ENTÃO!?! ENCONTRARAM?!!. Acho que fiquei tão pasmado que mais reacção para além de um sorriso amarelo e um menear de cabeça não consegui desencantar. Mais à frente, o inesperado interlocutor esperava-nos, engenho voador devidamente parqueado no seu espaço operacional. Afinal não era um muggle comum. Era, isso sim, outro geocacher, e dos tesos… quem encontrou alguma das suas caches sabe do que falo. Era o SamCam, que já conhecia de nome, e que, pelo que fiquei a saber, era intrutor de parapente e estava ali no seu trabalho. Ficámos à conversa por um bom bocado, até que os seus próximos instruendos se acabaram de aprontar e lá teve que se despedir para dar a aula seguinte.

fromthesky-01

Read Full Post »